JUNTANDO LETRAS

Nascemos sozinhos, morremos sozinhos, mas somente juntos podemos construir uma vida .

Textos


RESENHA sobre o Texto: Violência e crime, Sociedade e Estado, do autor Luiz Otavio O Amaral.



Nossa sociedade é manchada pelo preconceito atroz que marca as pessoas e tatua seus corpos. Como gado que é marcado a ferro e fogo, nosso povo sofre a dor da fome, da pobreza e do descaso governamental.
Os nordestinos, índios, negros e os pobres, em geral, ocupam a base da pirâmide brasileira, isto é, estão em maior número de pessoas e são os chamados ploretariados.
Os mais pobres sofrem exclusão social, sem precedentes, devido a um conjunto de desequilíbrios provenientes do Estado que concentra a pobreza em determinados locais, especialmente nas favelas.
Em função do preconceito que sofrem, além dos exemplos vivos que recebem dia-a-dia dos mandantes do país, os brasileiros legam aos seus filhos a idéia da impunidade, banalizando o sistema penal e sua prática.
No Brasil a violência está intimamente ligada à condição sócio-econômica populacional. O não acesso a educação, trabalho, saúde, lazer e cultura diminuem as chances de aquisição e aperfeiçoamento desses recursos que são fundamentais para que aproveitem as oportunidades oferecidas pelo Estado e cooperem com o crescimento do país.
Segundo Durkheim, a sociedade é contaminada por células doentes que ele chama de crime. Em seu conceito básico, o crime é como um vírus que se alastra e destrói aos poucos o desenvolvimento social e promove a desintegração e desmoralização da sociedade, especialmente das famílias, face aos distúrbios que ele infringe, como: indisciplina, desmando, impunidade e medo.
Partindo do princípio que devemos exterminar com os alicerces e colunas criminosas que sustentam a base da nação, achamos que, primeiramente, a “casa tem que ser arrumada” e, para tanto os setores de Educação, saúde, lazer e, obviamente, alimentação digna e oportunidades do engajamento lícito das pessoas na sociedade, devem ser priorizados. 

Teoricamente nossa Democracia é voltada aos interesses eleitoreiros e escusos que vão de encontro ao Preâmbulo de nossa Carta magna.
Diz o texto de nossa Constituição Federal:

PREÂMBULO:

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

TÍTULO I
Dos Princípios Fundamentais

Art. 1º: A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I.   A soberania;
II.  A cidadania
III. A dignidade da pessoa humana;
IV. Os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V.  O pluralismo político.


Parágrafo único: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.


Art. 2º- São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

Art. 3º- Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I.   Construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II.  Garantir o desenvolvimento nacional;
III. Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir   as  desigualdades sociais e regionais;
IV. Promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.


Art. 4º- A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

I.     Independência nacional;
II.    Prevalência dos direitos humanos;
III.   Autodeterminação dos povos;
IV.   Não-intervenção;
V.    Igualdade entre os Estados;
VI.   Defesa da paz;
VII.  Solução pacífica dos conflitos;
VIII. Repúdio ao terrorismo e ao racismo;
IX.  Cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;
X. Concessão de asilo político.


Parágrafo único: A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade latino-americana de nações.


DURKHEIM E OS FATOS SOCIAIS:

Para o sociólogo francês Êmile Durkheim (1858 – 1917), a sociedade prevalece sobre os indivíduos. A sociedade, para ele, é um conjunto de normas de ação, pensamento e sentimento que não existem apenas na consciência dos indivíduos, mas que são construídas exteriormente, isto é, fora das consciências individuais. Em outras palavras, na vida em sociedade o homem se defronta com regras de conduta que não foram diretamente criadas por ele, mas que existem e são aceitas na vida em sociedade, devendo ser seguidas por todos. Sem essas regras, a sociedade não existiria, e é por isso que os indivíduos devem obedecer a elas.

As leis são um bom exemplo do raciocínio de Durkheim. Em toda sociedade existem leis que organizam a vida em conjunto. O indivíduo isolado não cria leis nem pode modifica-las. São as gerações de homens que vão criando e reformulando coletivamente as leis. Essas leis são transmitidas para as gerações seguintes na forma de códigos, decretos, constituições etc. Como indivíduos isolados, temos de aceita-las, sob pena de sofrermos castigos por viola-las.

Seguindo essas idéias, Durkheim afirma que os fatos sociais, ou seja, o objeto de estudo da Sociologia é justamente essas regras e normas coletivas que orientam a vida dos indivíduos em sociedade. Tais fatos sociais são diferentes dos fatos estudados por outras ciências por terem origem na sociedade, e na natureza (como nas ciências naturais) ou no indivíduo (como na psicologia).

Esses fatos sociais têm duas características básicas que permitirão sua identificação que são, na realidade, exteriores e coercitivos.

Exteriores, porque consistem em idéias, normas ou regras de conduta que não são criadas isoladamente pelos indivíduos, mas foram criadas pela coletividade e já existem desde o nascimento do indivíduo.

Coercitivos, porque essas ideais, normas e regras devem ser seguidas pelos membros da sociedade. Se isso não acontece, se alguém desobedece a elas, é punido, de alguma maneira, pelo resto do grupo.

É justamente na educação, um dos exemplos preferidos de Durkheim, que o fato social pode ser representado. A linguagem, por exemplo, é aprendida em grande medida na escola. Ninguém nasce conhecendo a língua de seu país.

Outro conceito importante para ele é o de instituição, pois considera ser um conjunto de normas e regras de vida que se consolidam fora dos indivíduos e que as gerações transmitem umas às outras. Exemplos de Instituições: igrejas, quartéis, família etc.

As instituições socializam os indivíduos, fazem com que eles assimilem as regras e normas necessárias à vida em comum.


CONCLUSÃO:

Ainda embasados em nossa Constituição, sabemos que sem uma Sociedade justa, jamais poderemos alcançar a ordem e o progresso que são descritos no centro de nosso maior símbolo, a nossa bandeira nacional.
Nosso sistema penal foi elaborado em 1940 estando, portanto, defasado e necessitado de reformulação substancial. Face à estrutura sócio-econômica e cultural do país, bem como ao desvio delinqüente da política nacional, ficamos estacionados à espera da manifestação popular, pois vislumbramos ser esse o caminho ideal para modificação e adequação de nosso código penal à realidade do país.
Vivemos, atualmente, flagrados diariamente, por um surto gritante de violência, cuja origem se fulcra nos diversos setores sociais, responsáveis pelo controle, por ações disciplinares e inibição das práticas malfazejas que se constituem numa multiplicidade de delitos de várias origens e proporções.

Apenas com a finalidade de esclarecimentos e para concluirmos esta resenha, damos alguns dados de Durkheim:

Durkheim é o pai da Sociologia moderna. Estabeleceu o conceito de consciência coletiva de crenças e sentimentos comuns que explicam as relações entre os membros de uma sociedade e sedimentou suas pesquisas com uma pergunta: "Por quê e como os indivíduos são integrados na sociedade?" Para ele, as sociedades dominadas por auto-interesse terminariam em caos, necessitando da intervenção de fatores controladores.

Como breve análise, entendemos que, na visão de Durkheim, a violência é fruto da consciência coletiva de determinados grupos e/ou segmentos da sociedade que tem, em sua gênese, a deficiência de infra-estrutura em todas as vertentes e colaboram, substancialmente, para o enfraquecimento de valores éticos e para o aumento da criminalidade.




Esta resenha faz parte de um trabalho para disciplina de Direito Penal, a pedido da professora Cristiane Reis - Universidade Cândido Mendes - e participaram:

- Amália Klopper (MEG KLOPPER)
- Nathália Pacheco
- Renata Brito
- Mariana Mello

Todos os dados foram fornecidos pelas participantes, mas a composição do texto ficou a cargo de Amália C. Klopper (Meg Klopper).
MEG KLOPPER
Enviado por MEG KLOPPER em 25/02/2007
Alterado em 25/02/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras